#VocêTemUmaMenteMilionária

Livros: Julie & Julia

31 de janeiro de 2012


Título Original: Julie & Julia - My year of Cooking Dangerously
Gênero: Biografia
Autor: Julie Powell
Ano: 2010
Editora: Record
Número de páginas: 352
Nota pessoal: 3

O tema de Janeiro para o Desafio Literário de 2012 foi bem gordinho, Literatura Gastronômica. Para me ajudar na escolha recorri a um filme que me diverti muito assistindo, Julie & Julia.

Sinopse:
Julie Powell estava cansada da vida frustrada de secretária. Aos 29 anos, casada, ótima cozinheira, resolve dar ouvidos ao marido, que é apaixonado pelos pratos preparados por ela, e criar um blog contando suas experiências culinárias. Com isso se coloca um desafio, fazer em 365 dias todas as 524 receitas do livro Mastering the Art of French Cooking de Julia Child. E então o desafio Julie/Julia esta lançado.

Sobre a estrutura do livro:
Se tem algo que gostei muito neste livro foi seu tamanho, ele tem um tamanho perfeito para quem lê em movimento ou em transportes públicos, eu. Poderia ser um pouco mais leve para ajudar, não que ele seja pesado.
Por ser um livro autobiográfico, claro que a narrativa é na primeira pessoa.
Já capa da edição que tenho é a do filme, confesso que a original me agrada mais.
Os capítulos são muito grandes, poderiam ter sido melhor divididos para que pudéssemos degustar como aperitivos.

Citação:
"As cruzes do estragão sobre os ovos pochê brancos como neve pareciam as imagens em negativo das marcas de giz feitas nas portas de casas isoladas em quarentena. Mas isso não nos deteve. Eric, Gwen e eu, com um leve toque dos nossos garfos, arrombamos nossos Oeufs en Gelée. Acho que o aspic não ficou sólido como deveria, porque deslizou e empoçou no prato com uma avidez quase indecente - como lingerie de seda, se lingerie de seda fosse repulsiva. Quando os ovos pochês (frios e moles) foram cortados, suas entranhas inundaram os restos do aspic. A cena resultante da carnificina não estava, vamos dizer, a altura de uma capa de revista Gourmet.
Fonte: página 144

Situações como esta que me fizeram abandonar a ideia de aprender a cozinhar, mesmo porque eu (fresca do jeito que sou) não queria aprender a fazer arroz e feijão, como sempre digo "isso eu como em casa" sempre quis tentar uma culinária mais sofisticada, tanto que não aprendi a fazer bolo pão de ló e sim cupcakes decorados (fresca demais né, fala sério).
Cozinhar é uma arte e deve ser praticada por seus amantes, afinal os melhores pratos são aqueles feitos com prazer e não por obrigação. Se você discorda me fala se prefere ir à um restaurante ou comer aquela comidinha que a Vovó preparou especialmente para você?

Crítica:
A escritora foge um pouco da proposta do livro, que é relatar sua experiência com o blog x culinária e acaba tendo muitos flash backs além de reclamar demais sobre a vida, o que acaba se tornando um pouco cansativo, afinal quem gosta de ter alguém se lamentando por perto? Ainda assim a forma como ela se expressa faz com que o leitor, pelo menos eu, se sinta conversando com uma amiga (que se lamenta, claro), é uma linguagem completamente informal.
Em meio a tanto flash back resolvi fazer um...
Quando resolvi criar meu segundo blog, atualmente conhecido como Filmes, livros & séries (pasmem), originalmente criado em Julho de 2010 cujo endereço era algo como "Aprendiz de cozinheira" ou "Aprendendo a cozinhar" (não me recordo). É... só que desisti rapidinho do projeto de aprender a cozinhar, e como estava decidida a ter um blog decente, por que meu blog original não tem posts desde (?) sei lá quando, mudei o nome, layout e deletei tudo o que tinha nele antes. Sim, era mais fácil criar um terceiro blog, mas acabei optando pelo mais complicado, história da minha vida. Neste link dá para sentir um pouco o drama.
Voltando ao livro...
Bem, se a proposta do livro tivesse sido seguida a risca e tratado somente sobre o projeto Julie/Julia eu teria amado com toda a certeza. Os momentos dela na cozinha são impagáveis, as reações, situações (me vi em muitas delas inclusive) são as mais hilárias, mas quando ela resolve abrir o coração e contar sobre episódios de sua vida, eu entrava em depressão profunda e lia com a maior má vontade do mundo.
Outra coisa que gostei muito foi o vínculo criado entre a autora e seu blog quando ela faz comentários como "meus leitores vão sentir a minha falta", "vão pensar que morri" ou então "não posso abandonar meus leitores" que blogueiro nunca se sentiu assim, como se nossos leitores realmente fossem nossos dependentes e ficassem esperando o próximo post como se suas vidas dependessem disso?
O livro é bom, acho que a mulherada que curte um chick lit vai pirar, mas realmente não é um livro escrito para a Vivizinha aqui, ainda prefiro o filme.
Para finalizar claro que, como uma blogueira curiosa, lá fui eu procurar o blog de Julie Powell. Infelizmente minha pesquisa foi mal sucedida, achei somente o blog que ela mantém desde 2005 (http://juliepowell.blogspot.com/) onde ela conta a partir da publicação do livro nos Estados Unidos, mas, como não desisto nunca, achei o site oficial do livro (http://juliepowellbooks.com/blog.html) que tem um espaço voltado para o que seria o blog tendo todos os posts do blog original (migrados), então conseguimos visualizar seus posts e entrar mais ainda neste seu um ano.
E para todos os leitores que, assim como eu, adoram degustar tudo o que a culinária tem de melhor. Bon Apetit!

Trailer do filme
Este filme é extremamente divertido e gostoso, as atrizes Meryl Streep e Amy Adams formaram uma combinação perfeita.



E vocês o que acharam? Se interessaram pelo livro? Caso queria adicionar na sua estante do Skoob basta clicar na capa do livro acima.
 

LEITORES

RECEBA POR EMAIL

INSTAGRAM @fls_insta