#VocêTemUmaMenteMilionária

HQs e eu #4 – ÓDIO!

14 de fevereiro de 2013


Primeiramente eu quero dizer que eu me odeio em partes por causa de muitos motivos.

Alguns não vêm ao caso no momento, mas um em especial sim...

Nessa edição do “HQ’s e eu” desabafarei e irei levar somente essa aqui como “clichezável” jornalística - jornal online engraçado do povão. Ou não?

Quando comecei a ler quadrinhos obtive a adoração por essas minúsculas revistinhas legais, mas não sabia que tempo depois eu iria me apaixonar pelos desenhos.

Calma, eu vou explicar: Eu não sei desenhar e odeio isso!

O problema não é “eu tenho preguiça”. Na verdade, eu desenvolvi a preguiça – ou a arrumei como desculpa – depois que desisti de vez em tentar desenhar algo legal. Não era para “ah, eu quero ser um artista de quadrinhos, pintar, colorir e tudo mais”.

Droga, eu também sou péssimo em colorir!

Eu também nunca tentei criar um quadrinho bobo que pelo menos tivesse duas páginas possíveis quando pequeno... Talvez seja esse o problema ou talvez não seja esse o problema.

Sempre fui ruim em educação artística. Notas baixas, mau comportamento, questionando o desenho de adultos com formação acadêmica... Estou aqui dando a minha cara e confessando a vocês um dos meus problemas no colégio. Eu odiava fazer tudo o que os meus professores acho-que-formados-em-arte pediam. E odiava mais ainda o que eu costumava entender:

-Recorte e cole essas figuras estúpidas e depois tente desenhar já que você não consegue desenhar ao lado algo representativo para você de acordo com os recortes colados na folha boba de recortes.

Sério, eu realmente odiava essa aula. Por mais que amasse desenhos. E deixando claro que era uma escola pública. Bom, também não sei se o nível de educação brasileira interfere nisso. Mas eu acho que isso não é um motivo para um professor responsável por dar a aula de educação artística não ensinar os seus alunos direito...

Um boneco palito homem de minha autoria. Batizei ele de Viviane

Depois que conclui os meus estudos e passei por vários problemas nas aulas de educação artística... Eu nunca entendia o significado do nome dessa maldita matéria. Educação do quê? Para mim estava mais para inferno artístico em apenas “recorte e cole e generalize tudo” (educação artística é dar bom dia e boa noite ao lápis e ao pincel [???]).

- Pô, professores! Cadê eu sendo o próximo Stan Lee brasileiro e desenhando o melhor Homem Aranha da história!”

Pensei por muito tempo.

É complicado. Já que matei aulas dessa matéria tediosa e, principalmente matemática - odeio exatas - para ficar na biblioteca do colégio que não era muito movimentada e estava mais para “CASA DO PÓ E MOFO, ENTRE E PASSE MAL. PESSOAS COM RINITE E ALERGIAS SÃO BEM BEM VINDAS!” – e olha só... eu sou essa pessoa!

Seu amigo da vizinhança, O Homem Aranha
Ironicamente nessa mesma biblioteca do colégio, além de ter clássicos da literatura brasileira e um tempo depois FINALMENTE eles colocaram outros gêneros literários e estrangeiros (mas mesmo assim ainda continuava uma biblioteca solitária), existiam duas estantes de quadrinhos de vários tipos e estilos. E pronto, tá aí o motivo de eu ir mal às aulas também. Passava um bom tempo lá e as pessoas recortando as suas figuras bobas na sala de aula sem a minha presença...

Não me pergunte como eu passei de ano.

Mas eu ainda não sabia desenhar. Eu ainda carrego esse ódio comigo...


Harry, você tem os olhos da sua mãe.
 Como você acha que um ser que absolutamente tem adoração aos lindos desenhos dos seus quadrinhos favoritos, principalmente na época os de super-heróis e, idolatra os seus criadores com o grande desejo de saber desenhar pelo menos um homem de costas olhando o - sei lá, o por do sol - se sente?

Nem o meu boneco palito fica em pé direito para você entender a minha dor. Ele sempre sai torto ou sofre de elefantíase na cabeça - Se indentifique com isso, por favor.

Para mim desenhar é outra forma linda de ser expressar. Como uma boa música que é composta por uma ótima letra. Eu admiro isso e respeito isso apesar de, novamente, não saber desenhar. É como poesia, mas com imagens. E se você for um grande desenhista, você será um grande poeta. Pode ter certeza disso!

Hobbit
Cheguei a uma conclusão: É um trauma. E dos grandes! É um amor reprimido que se tornou ódio. Mas eu vivo bem com isso... Se pelo menos eu não tenho a capacidade de desenhar, mas ainda sim continuo com o meu desejo de desenhar e quem sabe criar um quadrinho legal, pelo menos eu tenho os desenhos de outros para enamorar. Isso não é errado, ok?

É tão reprimido a vontade que eu tenho de desenhar e criar figuras, que acho que a parte boa foi para a escrita. Bom, quem sabe ainda a minha alma de “artista infeliz” estiver viva até lá eu posso pelo menos tentar participar de uma produção. Um dia... ficaria com a melhor parte (mentira), a roteirização. E falaria sobre “pessoas que não sabem desenhar e se odeiam por isso e escrevem roteiros como esse”.

Por isso agora eu sei que as pessoas nascem sabendo desenhar e o desenvolvem com o tempo. Nunca vi uma pessoa que sabe desenhar não desenhando... Isso é um dom. Um passatempo. Invejado por quem não sabe e belo para quem admira.

E você, sabe desenhar? :) 

INSTAGRAM @fls.com.vc

LEITORES

RECEBA POR EMAIL