#VocêTemUmaMenteMilionária

Filmes: RoboCop

17 de março de 2014


Título Original: RoboCop
Gênero: Ficção Científica
Ano: 2014
Duração: 118 minutos
Nota pessoal: 4
Site Oficial

Sinopse
Em um futuro não muito distante, no ano de 2028, drones não tripulados e robôs são usados para garantir a segurança mundo afora, mas o combate ao crime nos Estados Unidos não pode ser realizado por eles e a empresa OmniCorp, criadora das máquinas, quer reverter esse cenário. Uma das razões para a proibição seria uma lei apoiada pela maioria dos americanos. Querendo conquistar a população, o dono da companhia Raymond Sellars decide criar um robô que tenha consciência humana e a oportunidade aparece quando o policial Alex Murphy sofre um atentado, deixando-o entre a vida e a morte.


Crítica:
Assistir a esse filme realmente não era uma prioridade em minha vida, fui pura e simplesmente por falta de opção de melhor horário eis que sai do cinema muito satisfeita com o trabalho executado por Padilha.
Para quem não sabe os filmes Tropa de Elite 1 e 2 são sem dúvida meus filmes nacionais favoritos que conseguiram seguir um padrão de qualidade e conquistaram meu respeito e admiração, mas nem isso me deixou curiosa para ver o diretor em um filme americano, porém sinceramente ele fez bonito e fiquei orgulhosa de ver.
Embora lembre em muitas coisas O Homem de Ferro ele consegue ter seu diferencial.
Não que eu me recorde bem dos filmes antigos, realmente não me lembro, e olha que eu sei que assistia sempre que passava na televisão, mas a única coisa que consigo recordar é que era um policial meio humano meio robô, mais nada, então não consigo comparar com seus antecessores, mas posso dizer que mesmo com as semelhanças com a série O Homem de Ferro eu não fiquei fazendo comparações, afinal estamos falando de outra coisa, outro herói, outra história.
Achei que a inclusão tecnológica feita no filme foi totalmente coerente, a apresentação da história e como o homem domina a máquina foi realmente o foco, tanto foi o foco que o final pareceu passar voando e de repente, fim.
Esse, em minha opinião, foi o único pecado comentido no filme, ter um final corrido, acredito que se tivesse acrescido uns 15 minutos a mais ele teria ficado perfeito.
Ele sem dúvida superou minhas expectativas quase nulas, me surpreendeu e o principal me fez querer mais, isso sem dúvida mostra que o filme conseguiu atingir seu propósito de conquistar expectadores. Super recomendo.

Curiosidades:
Robocop marca a estreia do diretor brasileiro José Padilha (Tropa de Elite e Tropa de Elite 2) na direção de um filme americano.

Fonte: Adoro Cinema

INSTAGRAM @fls.com.vc

LEITORES

RECEBA POR EMAIL