#VocêTemUmaMenteMilionária

Outono em Nova York

1 de novembro de 2014

O título do post estava definido desde antes de a viagem começar, mas não esperava que o romantismo do título ficaria mais voltado para um romance policial, bem, vamos por partes, como diria Jack.
A ida de DC para NY de trem foi tranquila, tirando o fato de eu quase perder a estação, é claro.
Saindo da estação dei de cara com o hotel, que maravilha. Só atravessei a rua e estava fazendo o check in.
Então fui bater perna pra reconhecimento de território, logo dei de cara com a Times Square e com a maravilhosa Broadway, fui ao delírio. Já parei em Les Miserables e comprei ingresso para a mesma noite. Experiência incrível, chorei já no começo, nem preciso dizer que ao final estava me debulhando em lágrimas. Super recomendo, a peça é perfeita demais e não entendo porque não foi ao Brasil (se foi sinceramente perdi).
Bem, de volta ao hotel, porque depois de uma noite mal dormida não tinha pique para mais nada depois da peça, foi onde o romantismo migrou para o lado policial.
Aproximadamente meia noite uma mulher começou a gritar em plenos pulmões "Help! Somebody help me", de primeiro meu coração pulou pra fora, mas depois pensei "deve ser alguma pegadinha de Halloween ", mas como estou sozinha não me atrevi a abrir a porta, então depois ela começou a gritar "Help me! I was raped". Então entrei em pânico total, aí que não abri mesmo a porta, apaguei a luz, desliguei a TV e corri para o celular e ligar para a recepção do hotel. Por fim um homem saiu do seu respectivo quarto para ver o que estava acontecendo. Passados alguns minutos a polícia chegou, embora tenha parecido uma eternidade tenho consciência de que foi rápido, mas só pelo fato de que eu estava com meus amigos no whatsapp (se não fosse por eles e meu unicórnio fofinho eu teria surtado). Sinceramente não sei no que deu, só sei que o resultado da minha noite foi ficar horas conversando com os meus amigos (não tenho palavras para agradecer eles ficarem comigo madrugada afora me acalmando) e pesquisando hotel para mudar de hospedagem.
Depois de passar a madrugada em claro a primeira coisa que fiz nas primeiras horas da manhã foi mudar de hotel (ainda chorando).
Conseguir um hotel em cima da hora foi uma tarefa difícil é cara, mas, segurança em primeiro lugar.
Depois de um banho para acalmar os nervos fui dar um giro e pequei o passeio de ônibus, mas acabei dormindo no passeio (que feio) então decidi voltar para o hotel e ter algumas horas de sono. Melhor perder uma tarde de passeio do que dormir numa peça da Broadway.
Então foi a vez de conferir Aladin. Gente que coisa mais linda, divertida e bem adaptada. Impossível não sair encantada com toda a magia, e não se apaixonar pelo Gênio, ele está divino. Recomendo e espero que venha logo para o Brasil, merece. Sinceramente se tiver que decidir entre ele e O Rei Leão, não sei dizer qual prefiro. Amei.
Terceiro dia de NYC, depois de finalmente uma noite de sono, que foi interrompida por alguns pesadelos com o acontecimento da noite anterior (realmente fiquei abalada), consegui fazer o Bus Tour acordada (Yay!!!)o dia estava delicioso, um frio acolhedor e bem vindo. Aproveitei para conhecer mais a cidade. Depois fui pagar uma promessa que fiz para minha mãe, comer algo bem gostoso por ela, então foi no Cake Boss Cafe, gostoso e tal, mas sinceramente esperava que fosse aquele tipo de doce de se comer gemendo, mas não, foi apenas bom.
Seguindo fui para o Top of the Rock, porque me disseram que a vista dele vale muito mais do que a do Empire States. A vista é maravilhosa e tudo o mais, mas gente pagar 30 dólares só pela vista me doeu o bolso, sério não é algo que faria novamente.
Depois decidi que não havia curtido o frio suficiente e resolvi fazer o Bus Tour noturno, vista única e maravilhosa, esse sim eu faria novamente (mesmo porque paguei 2 dias de Tour pelo preço de uma subida no Top of the Rock), mas iria num dia menos frio, congelei e não aguentei, acabei indo para a cabine fechada na volta, além disso as fotos ficaram uma merda porque eu estava tremendo  (incompetência, a gente vê por aqui).
Mas, noite de Halloween em NYC não é sempre, não é? Vesti minha fantasia e fui curtir um pouco a noite, sem espetáculo de Broadway por nesse dia.
Porém, descobri que faço tudo sozinha, exceto ir numa festa. Então, desfiz a fantasia no meio da rua e fui para um bar tomar uma boa cerveja e curtir um jogo, dessa vez basquete, e claro bater papo com pessoas desconhecidas, fantasiadas e animadas. Foi ótimo.
Ainda tenho um final de semana em New York, a intenção era fazer um post único mas é tanto para contar que vou ter que dividir para não me perder e não deixar um post bíblico.

LEITORES

RECEBA POR EMAIL

INSTAGRAM @fls_insta