#VocêTemUmaMenteMilionária

Filmes: O Hobbit - A Batalha dos Cinco Exércitos

15 de dezembro de 2014


Título Original: The Hobbit - The Battle of the Five Armies
Gênero: Aventura
Ano: 2014
Duração: 144
Direção: Peter Jackson
Distribuição: WARNER BROS,
Nota pessoal: 3
Site Oficial
 

Sinopse
Após ser expulso da montanha de Erebor, o dragão Smaug ataca com fúria a cidade dos homens que fica próxima ao local. Após muita destruição, Bard consegue derrotá-lo. Não demora muito para que a queda de Smaug se espalhe, atraindo os mais variados interessados nas riquezas que existem dentro de Erebor. Entretanto, Thorin está disposto a tudo para impedir a entrada de elfos, anões e orcs, ainda mais por ser tomado por uma obsessão crescente pela riqueza à sua volta. Paralelamente a estes eventos, Bilbo Bolseiro e Gandalf tentam impedir a guerra.


Trailer


Crítica:Ainda sou da opinião de que os produtores deveriam ter se mantido a ideia original de dividir a adaptação em apenas 2 filmes, talvez 1 filme não fosse realmente o suficiente, pois as cenas de batalha seria muito rápidas e nos deixaria a sensação de que algo esta faltando, mas dividir em 3 filmes me deixou com a sensação de que muita coisa ficou sobrando, e isso sinceramente me desagradou e afetou minha avaliação dos filmes.
Sempre digo e afirmo que o primeiro filme foi simplesmente incrível, o mix feito entre a trilogia anterior e a apresentação da nova encheu meu coração de alegria e nostalgia, e talvez esse tenha sido o elemento principal para tornar o filme memorável.
O segundo, conforme já falado aqui, me fez sentir que fui enrolada, mas nada se compara a esse último.
Em O Hobbit - A Batalha dos Cinco Exércitos (que ainda mentalmente chamo de Lá e de volta outra vez) me senti feita de tonta mesmo, a começar pela inclusão de histórias que não estão no livro, ficou nítida a encheção de linguiça, mas o ápice mesmo foi a quantidade infindável de duelos soltos inseridos no filme, isso foi sem dúvida me chamar de idiota, considerando que cada duelo leve em média uns 7 minutos, chutando baixo, não contei mas recordando de cabeça eu vi pelo menos uns 4, se não estou enganada isso dá no mínimo 28 minutos de duelos soltos, ou seja meia hora de filme é só isso (ah por favor né gente, isso realmente me irritou).
Mas nada me irritou tanto quanto a inclusão de uma personagem cômica, o filme não precisa disso, de verdade.
Sem contar as cenas surreais, como o Legolas (que fique bem claro não existe na história do livro) usando como degrau uma "ponte" que esta sendo destruída (a cena foi tão ridícula que todo mundo caiu na gargalhada no cinema) e o impagável encontro de Thorin e seu primo no campo de batalha (jura? O coro comendo de fundo e os dois no meio de tudo isso param para se abraçar e trocar meia dúzia de palavras. Só faltou se atualizarem dos últimos acontecimentos).
Gente sério, esse filme teve incontáveis momentos que me fizeram refletir sobre temas como: "Amanhã tenho que trabalhar e estou aqui acordada até a essa hora vendo essa cena", ou então "Abandonei um compromisso muito mais prazeroso para vir aqui e ficar sentada nessa poltrona sendo chamada de idiota, eu mereço mesmo".
Não que o filme seja ruim, ele é bom, se separarmos o fato de que se trata de uma adaptação. Se isolarmos esse fato talvez o sentimento de enrolação seja menor, mas como não consigo fazer isso por já ter lido o livro fiquei realmente irritada.
Ainda assim a fotografia esta linda, os efeitos especiais, embora ainda me tragam a sensação de assistir a um jogo de vídeo game, estão bons.
Em suma o filme é bom, mas nada que me faça ir ao cinema novamente, afinal não fiquei com tesão nenhum em assistir esse filme por duas horas e meia sem poder fazer uma pausa para o xixi.

Curiosidades:
Precedido por O Hobbit - Uma Jornada Inesperada (2012) e O Hobbit - A Desolação de Smaug (2013). A história contada é anterior à exibida na série O Senhor dos Anéis, adaptação do livro O Hobbit.
A princípio, seriam apenas dois filmes. As filmagens terminaram em 06 de julho de 2012, após 266 dias da fotografia principal. No entanto, com a decisão de dividir a história em três segmentos, os dois filmes se tornaram o primeiro e último filme, e o final do primeiro tornou-se o início do segundo filme, assim o início do terceiro tornou-se a extremidade do segundo. Cenas adicionais para o segundo filme foram escritas e gravadas durante vários meses no verão de 2013.

Fonte: Adoro Cinema

INSTAGRAM @fls.com.vc

LEITORES

RECEBA POR EMAIL