#VocêTemUmaMenteMilionária

Filmes: Para Sempre Alice

3 de fevereiro de 2015


Título Original: Still Alice
Gênero: Drama
Ano: 2015
Duração: 101 minutos
Direção: Richard Glatzer, Wash Westmoreland
Distribuição: Diamond Films
Nota pessoal: 4

Sinopse
A Dra. Alice Howland é uma renomada professora de linguistica. Aos poucos, ela começa a esquecer certas palavras e se perder pelas ruas de Manhattan. Ela é diagnosticada com Alzheimer. A doença coloca em prova a a força de sua família. Enquanto a relação de Alice com o marido, John, fragiliza, ela e a filha Lydia se aproximam.



Crítica:
Comecei a assistir o filme sem qualquer pretensão, afinal o único destaque dado a ele foi devido a atuação de Julianne Moore, por isso não tinha grandes expectativas a respeito.
Aos primeiro minutos já tinha absoluta certeza de que terminaria de assistir aos prantos, pois a carga dramática e a história de vida de Alice, é realmente incrível.
Sem dúvida a atuação de Julianne Moore merece uma salva de palmas, esse é com certeza o melhor trabalho que vi da atriz e merece sim toda a atenção que vem recebendo. Não é para menos que a única indicação ao Oscar do filme foi para a categoria de Melhor Atriz.
Apesar de haver destaque somente para a atuação da atriz principal, posso dizer que esse é um filme sensível, mostrando pelo ponto de vista de um portador de Alzheimer como é perder toda sua memória até o ponto de esquecer quem você é e tudo o que conquistou na vida como os próprios filhos.
Acredito que o filme não tenha recebido mais destaque pela escolha do elenco, afinal todos os demais atores não se dedicaram tanto a suas personagens, e por isso quando deixamos de lado a atuação de Julianne Moore o filme fica um tanto morno e sem vida. Todo o drama e carga emocional esta por conta dela, os demais são realmente meros coadjuvantes durante sua performance.
Esse é um filme que nos toca profundamente, afinal certamente todos devem terminar o filme se colocando no lugar de Alice, imaginando como seria chegar ao ponto de esquecer tudo o que construiu em uma vida. Uma frase dita pela personagem não vai me sair da cabeça "Eu preferia que fosse câncer", essa frase me pegou de jeito e não consegui mais tirar ela da cabeça.
Assistam, principalmente aqueles que sofrem com essa doença de alguma forma. É uma história linda, reflexiva e comovente.

Curiosidades:
O filme é baseado no livro homônimo da escritora Lisa Genova, publicado no Brasil pela Editora Nova Fronteira.

LEITORES

RECEBA POR EMAIL

INSTAGRAM @fls_insta